NUNCA FUI O GAROTÃO DO PAPAI

Nunca fui o garotão do papai
Nasci deslocado
Diferente demais para ser
Para realizar o que ele havia sonhado
Papai sempre falou de carros
Assistia futebol
Eu destoei quando não me interessei
Mergulhei em livros
Passei longe do horário do futebol
Tanto que me afastei

Nunca fui o garotão do papai
Mas o assistia de longe
Decorei cada um dos seus conceitos
Copiei para mim parte do seu caráter
Fiquei admirando sua força
Estudei suas fraquezas
Vi papai fazer o que precisava fazer
Vi papai fazer o que queria fazer
Vi papai cair perante as tempestades
Vi papai se levantar

Papai me ensinou a ser forte
Me encorajou a ser quem sou
Não contestou minha natureza
Não se importou com eu destoar
Não se encaixar
Não ser como os outros filhos de papai
Me fez grande, me ensinou a ser homem
Papai me deixou me iludir, me viu cair
Mas pegou meu peso quando fraquejei
Me estendeu suas mãos quando o mundo me deixou
E fez uso das palavras, que nunca foram seu forte
Para me ajudar a lembrar de quem sou
De quem ele de longe sempre admirou.