ESTOU GUARDADO E EMPOEIRADO

As chamas do medo são tão quentes que destruíram qualquer sinal de coragem. Meus olhos refletem a insegurança da minha alma, como o mar reflete o azul do céu sem fim. Essa é a maneira como eu me sinto por não conhecer o amanhã e temer minha própria instabilidade. O tempo não pode parar, mas para mim ele parou. Eu sei que deveria aproveitar o momentâneo silêncio para me movimentar e evitar que a tranquilidade seja em vão. Meus anseios me queimam como o sol do meio dia. Estou cheio de incertezas e não sei mais se o fundo do baú é o melhor lugar para se estar. Estou guardado e empoeirado e nada do que faço parece surtir efeito contra o mal que trouxe o medo. Minhas mãos estão inquietas e minha mente agitada, mas as correntes são difíceis de serem quebradas. Eu preciso ir embora, preciso trocar de pele, preciso reinventar as ideias e definir os caminhos. O medo me transformou num zumbi, o tempo me transformou num desmotivado ser pensante, a incerteza me deu a feição cansada de uma aberração. Meu anonimato é meu amor e as obras das minhas mãos são como reflexos do meu eu interior. Futuro sombrio e passado presente ainda me cegam com suas controvérsias...

ESTOU GUARDADO E EMPOEIRADO

Cansei de procurar a paz, o amor, as respostas certas e a cura para as incertezas. Sei que minhas certezas foram embora com a paz do meu coração e eu me tranquei de propósito na expectativa de me manter seguro. O tempo não teve compaixão e, realmente, não espero esse sentimento sujo de ninguém. Não estou me machucando, mas confesso que a transformação foi além da morte física. Quero o conforto interior e quero parar de descobrir que tudo que acredito não passa de ilusão. Eu conheço o amargo da vida real, e passei pelas catástrofes com as minhas mãos amarradas. Não tenho que ver o tempo passar e o que ainda restava de vitalidade do meu ser, se perdeu. Mas como é insuportável esse sentimento de impotência! Preciso provar uma bênção, uma vitória, uma conquista ou qualquer coisa boa para conseguir me sentir vivo e livre outra vez. Não quero que minhas vontades me segurem, não preciso que meus medos me prendam e não adianta eu continuar me iludindo com o que verdadeiramente sou. Sim! Sim! Sim! Me transformei em outra pessoa e sei que tenho muito a perder e pouco a conquistar.