4.11.17

QUE A GENTE NÃO ESQUEÇA



Somos o pouco que restou
Da autenticidade
A poeira do sonho
Que a vida triturou
A marca na história
Que ninguém lembrou

Todos sabem de onde vem 
Mas ninguém garante
Para onde vai
Somos as palavras de guerra
Perdidas na cegueira
Esquecidas no descaso
Palavras em negrito
Que batalha na batalha
De quem declarou a guerra
Por ter voz, não pena
Por ter medo, não garra

Sangue e suor 
Na caminhada
Estamos todos só
E mesmo que de mãos dadas
Consigamos falar
No final do dia
Eu terei vivido minha luta
Sentirei minha dor
E você?
Se ocupará com suas feridas

O mesmo olhar que acusa 
É o mesmo te leva a acreditar
Que vive a mesma luta
Defende a mesma bandeira
A mesma mão que te levante
É a mesma que te aponta
Para te lembrar
Que sua luta
Não passou do fracassar

Que a gente não esqueça 
Que o fogo queima
A covardia mata
E nossa dor
É nossa arma.