13.10.17

OUTREM

Sou a junção do ontem com o hoje
A real mistura da construção com a decomposição
Eu me decomponho perante o futuro
E me construo mediante o ontem
Sou o experimento perfeito
Que diante da vida sofre o efeito
Do morrer

Sou a conjuntura da desordem
Que em ordem segue a caminhar
Sou o estado de espirito ausente
Que dentro da escola da vida
Aprendeu a sobreviver
Sem o talento de crescer

Sou o bom dentro do ruim
Que restou no caos do hoje
De a cordo com o olhar de outrem
Sou o poço de erros
Que reflete o perfeito acontecimento
De ser gente

Sou o tudo dentro do nada
A mistura do perder com ser
O que me querem de ruim
De viver o que me faz ruim
Sou a escuridão na luz
Que nunca reluz

Sou o cumulo da desonestidade
Que na ausência de caráter
Prevaleci acreditando
Que sou o nada além do nada
E já que sou nada
Optei por não ser parte
Do nada de outrem.