4.10.15

SEMPRE ME MANTIVE ETERNO NUMA SIMPLES FOTOGRAFIA


Ter uma única certeza que se resume em sombras sempre será característica de um coração pesado. A única certeza que tenho é que quando tudo fica difícil - e tudo ficará difícil alguma vez - o que me revitaliza é saber que me mantive eterno numa simples fotografia. Toda coleta de imagens relacionadas a mim, foram feitas para eu mesmo e para que nunca me perca em memórias confusas ou em florestas emocionais cheias de armadilhas. Meu olhar sempre permaneceu atento para conseguir decodificar as mudanças mais singelas de "pessoas interiores" que um dia foram chamadas por mim de personalidade. Meu coração sempre esteve partido e mais uma vez o tempo se congelou para que essa característica se mantivesse firme em todos os retratos. Nunca fui de fácil acesso, mas alguém sempre me guardou num baú longe de toda ação do tempo para que simplesmente eu pudesse durar para sempre. Como uma foto, sempre fui "levado" para todos os lados afim de sempre ser a companhia de alguém. Num certo dia de fúria fui rasgado em centenas de pedaços e mesmo sem perspectivas tive que me remendar. Se as más lembranças estão intrinsecamente presas em cada pedaço de mim, acredito que continuarão comigo até a minha morte. Eu sei que as palavras doem e elas sangram e fazem sangrar, mas quem nunca sangrou não deve ter vivido uma verdadeira vida. Em meio a essa hemorragia causada pelo sofrimento, a essência de cada foto sempre conseguiu suturar todo tipo de ferida.