9.9.16

QUANDO ME ENCONTREI



Hoje, depois de ter suspendido as minhas buscas, me encontrei perdido numa ilha isolada. Me olhei um pouco antes de me anunciar para eu mesmo. Enquanto me assistia de longe, me vi ali sentado e isolado e minha face mudava constante tomando a forma de muitos sentimentos. Me sentia tão estranho ao me ver ali daquela forma, mas me sentia ao mesmo tempo aliviado, eu enfim havia encontrado o que faltava em mim.

Depois de muito exitar, corri em direção ao meu fragmento. Caí e me levantei, pensei no que falar, parei para recuperar o folego e, enfim, consegui tocar em mim. Me abracei forte demais por um tempo indeterminado. Só queria me sentir completo, único e realizado. Eu precisa de todas as partes de mim dentro de mim. Precisava de todos os meus defeitos e de todas minhas qualidades, precisava de todos os meus medos e de todas as minhas coragens, precisava de todas as minhas lágrimas e de todos os meus sorrisos, eu precisava de mim completo. Fiquei ali incansavelmente me abraçando e me encarando de perto. Olhei bem para mim para conseguir decorar todos os meus traços e trejeitos. Olhei bem para mim por sentir medo de algo ter mudado enquanto eu permanecia perdido de mim.

Tomei coragem e arrisquei a me dizer algumas palavras: - Me desculpe por ter demorado a te encontrar. Perseverei tanto para me sentir completo novamente, tanto que não consegui deixar de precisar de você junto de mim. Eu preciso ser um só, permanentemente eu, sem constantes mudanças ou severas alterações. Preciso de você junto a mim para me mostrar em qual lugar guardei a minha essência. Preciso que você volte para casa comigo para que juntos possamos arrumar tudo por lá. Necessito que você me ajude a permanecer de cabeça erguida e me dê forças para não estremecer perante sombras do passado, para não cair diante de qualquer obstáculo e para voltar a viver cada dia feliz e com um sorriso no rosto.

Eu sou nada sem mim.