12.3.17

NÃO SOU PASSADO

Sei que talvez seja difícil acreditar no presente, mas peço fé. Um montão de fé. Uma quantidade infinita de crença no que ainda não aconteceu. Uma quantia interminável de fé no presente, naquilo que é reconstruído ou construído. Ódio, eu sei que existe muito sobre o passado e sei também que é completamente justificável, mas é sobre o passado. Dor, sei que existe muita, mas não acredite que só você a sentiu. Eu senti muita dor. Quando passamos por situações ruins, eu vivia uma generalização de coisas ruins. Enquanto que você sofria por um motivo digno que era o nosso amor, eu sofria pelo nosso amor e por todas as demais coisas que você esqueceu. Você não foi a única a sentir dor, eu também já senti, mas voltei por acreditar no futuro que agora tem a possibilidade de se transformar em presente. Todos nós ficamos desajeitados perante sentimentos contrários. Deixamos a mágoa e a raivar nos dobrarem, mas temos como impedir que isso aconteça. Sei que podemos lidar com o que é ruim, pois tenho tentado e aprendido a fazer isso. Não vale a pena deixarmos que aquilo que é ruim dite regras e seja soberano. Parece que você não tem reparado, mas, aqui no presente, eu tenho gritado, escrito e de todas as formas tentado te mostrar que o presente não precisa permitir que o passado que tanto te assusta seja retomado, revivido e remontado. Meu único recurso efetivo para continuar aqui perante toda a problemática que assola a minha vida tem sido olhar aos céus para pedir forças. Tenho que ter que lidar com algumas das suas palavras mal colocadas que perfuram meu peito como uma sequência de facadas. Tenho que me conformar com a sua maneira estranha e distante de se importar. Tenho que obrigatoriamente me silenciar perante seus surtos de rancores. Eu não consigo levar as tenebrosidades da minha vida e ter que conviver com você me transformando em passado.

Não sei se já cheguei a me desculpar pela parte que me compete em relação ao passado, mas, se não o fiz, faço agora; perdoe-me por ter te proporcionado dor naquela época. Eu vaguei e vegetei por muito tempo. Perdi-me do caminho e me machuquei, caí e fracassei e todos que estavam ao meu redor se sentiram assim também. Não fiz nada de propósito. Não feri por querer ferir. Eu não sou passado.