ESSÊNCIA PASSAGEIRA


Não teve apreço de menos que precisou ser pago por um simples sorriso.

Tem um sorriso simples que sempre foi usado como pagamento.

Tem uma serenidade conturbada de todos os instantes intensos que foram construídos com o passar dos dias.

O silêncio de uma relação de amizade que fora construída a base de ferro e fogo, amor e ódio, cumplicidade e superação hoje me deixou verdadeiramente reflexivo. Não existe ou existiu aqui qualquer possibilidade de superioridade de ambas as partes, mas ainda espero alguém, que não seja eu, romper com esse silencio assustador.

Eu já perdi muitas pessoas que, junto a mim, prefeririam prorrogar o silencio, tornando-o o senhor de muitas separações. Confesso que há mais de cinco dias tento entender o estopim da nossa momentânea discórdia, mas tenho preferido viajar pelas flores do seu jardim, viajar pelas boas impressões que guardei de você dentro de mim. Sei que talvez a vodca tenha alterado a essência de suas flores, mas seus espinhos inesperados e passageiros conseguiram ferir meu coração. É, você ficou verdadeiramente irreconhecível.

Nessa ultima semana morri mais de trinta vezes, ao menos dez foram em um único dia, e não pude contar com a sua presença, pois você estivera ocupada demais com o seu silencio. Não pudi ouvir musicas que me ajudassem a recordar de ti para simplesmente não te odiar, então tudo que fiz foi somente me lembrar da sua essência.

Perseverei, talvez torto demais, em fortalecer esse nosso laço de amizade que hoje está frouxo e desestabilizado. Por querer tudo sempre perfeito, talvez eu nunca consegui te ouvir como você precisava. Agradeço ao possível criador ou criadora da vodca por ter me dado a oportunidade de te ver desabafar, mas você sabe que não caberá à vodca quebrar o silencio estabelecido pela essência passageira de ti.