A DUALIDADE DO SEU AMOR

Por muito tempo acreditei que era dual, que sabia o que era ser intenso e marcante, mas você tem me mostrado que o seu amor é detentor de toda duplicidade do mundo. Esse amor que você me entrega é perigoso demais, ele queima e machuca, não sei se o mantenho longe ou perto de mim. Você me toca e eu me sinto completamente vulnerável, é como se você tocasse a minha alma, tirasse toda a minha roupa e me deixasse a merce das suas vontades. Não quero esse amor distante de mim, mas tenho implorado por uma definição. Gosto dessa alternância entre ódio e amor, mas não quero me machucar.

Sei que estou preparado para os perigos que me sujeitei ao me entregar a você, mas até que ponto seu amor é puro e verdadeiro? Sei que sou imune ao seu veneno, mas até quando vou permitir que você me use? Sei que consigo aguentar suas agressões, mas em qual momento eu vou desistir de ser cúmplice ou vitima da sua instabilidade? Então, me use agora, me coloque contra a parede e sinta prazer em me ter em seus pés, pois quando eu decidir caminhar suas suplicas não irão me segurar. Sei que sua maneira de amar é somente minha porque eu te deixe livre para ir e voltar, para me machucar e me curar, para gritar e cochichar e para simplesmente explorar tudo que existe em mim.

Sei que você ainda teme a minha partida, tanto que me recordo das vezes que me pediu para ficar. Meu amor, um pouco mais de cuidado quando decidir alternar entre me odiar e me amar, pois meu coração também se cansa e minha alma se machuca. Eu quero continuar aqui vivendo o que você nos propôs e sei que você também quer brincar de me machucar mais um pouco, então vá com calma com os seus sentimentos instáveis e sua língua afiada. Estou esperando seu perigo atacar novamente para me sentir em risco de te perder. Espere minha desistência bater a sua porta para você saber que seus demônios me cansaram e o perigo que eu era constantemente exposto por você já não me assusta mais. Não espere mais que eu faça ameaças de partida, pois me colocar medo sempre foi o seu papel. Não espere que eu invista em novas formas de amar, pois quem sempre ditou as regras dessa relação foi você. Não espere que eu faça além de palavras, pois quem aparentemente tem pegada aqui é você. Não cogite a possibilidade de me deixar sem antes dizer adeus ou eu te monstro todos os perigos que guardei até agora.

Você e seu amor são bons para mim, mas meu medo de você me faz constantemente recuar.
Hoje você me ama ou me odeia?