22.7.16

AS MESMAS MANHÃS

O céu está cinza
E tão pesado é o ar da manhã
Que meu ânimo está todo no chão
E minha vida tão momentaneamente cabisbaixa
Tudo continua acontecendo lá fora
Mas eu decidi não participar do cotidiano
Cada amanhecer simbolizava uma nova dádiva
Cada amanhecer, pelo menos por hoje, não tem qualquer significado
Eu só existo
Só respiro
Só resisto
Assisto
Desejo
Só me silencio
Cada manhã já me deu oportunidade de ser único
Me fez querer ser novo
Ser muitos
Ser poucos
Toda nova manhã, pelo menos por hoje, é igual
Tanto que eu há tempos continuei o mesmo
Fiquei do jeito que sou
Do jeito que fui
Agindo do mesmo modo todas as manhãs

Feira de Santana, BA 10/7/16