9.12.16

DESENCONTRO


Me perdi ontem e me desencontrei depois de me encontrar perdido em uma bagunça. Não sei como funciona isso, mas eu decidi ir sem previsão de volta, mas aparentemente chegou a hora de decidir regredir para casa. Casa? Onde a casa está? Como faço para encontrar o caminho? Estou desencontrado e completamente cansado de procurar algo que talvez nunca mais seja possível de se encontrar. O que sou parece maior que os meus sonhos e meus desejos de ser. O que não consigo encontrar parece ser importante e essencial para a minha existência, porém não consigo mais ter tanta persistência para continuar a procurar essa coisa que está perdida aqui ou ali. O planeta continua girando e o que procuro parece ficar cada vez mais distante.

Eu sei que estou evitando ser encontrado e tenho buscado rotas de fugas para fugir de mim. O que procuro? Uma vida nova ou uma nova história? Sei que minha fuga tem matado minha lucidez, mas preciso de mim para conseguir ecoar a minha voz, a saciar minha sede por mudança e meu simplório objetivo de aproveitar a curta existência de tudo que habita essas terras.

O que fugiu de mim deve estar acanhado num canto qualquer, pois ele não consegue ter desenvoltura longe de mim. Deve estar sentadinho num parque qualquer observando a vida passar divido entre me esperar chegar e a continuar a fugir. Ele também pode estar perdido numa selva de pedra, com frio e medo e mais acanhado que o normal. Não sei a razão de ter crescido tão difícil e complicado, mas preciso me encontrar nem que seja para simplesmente me dar uma bronca.

Quero que ele sinta minha falta e fique preocupado. Ele precisa perceber que não será completo sem minha presença. Nem mesmo ele conseguiu compreender que somos um só, portanto não poderá estar completo para salvar seu mundo e continuar a escrever sua história. Estou escondido, sentado nesse canto e vendo a vida passar rapidamente. Não sei me viver no mundo sem a minha própria proteção...

(...)