1.12.16

CONFORTÁVEL DOR


Agora eu somente estou nas sombras. Estou sem qualquer escudo e totalmente sem armas. Agora eu estou de olhos totalmente fechados. Estou sem qualquer capacidade de percepção e sem poder ver nada além da minha limitação. Agora estou simplesmente vulnerável e disposto a continuar na minha sombra, quieto, cego e totalmente invisível.

Abracei todos os meus erros e ignorei um pouco todos os meus acertos. Cortei fora as minhas asas para conseguir permanecer mais tempo no chão, na realidade que sempre me cercou. Expus as minhas cicatrizes e comecei a relembrar a história de cada uma delas. Agarrei bem forte todo sofrimento e toda a angustia. Agora consigo ser completamente composto de escuridão, e não sinto dores por relembrar. Estou bem e confortável com o que sinto e com o que vivo que sinto uma vontade imensa de permanecer quieto e discretamente desaparecido da vida que vai além da minha limitação.

São tantos os flashes de luzes que tentam chegar até mim que já perdi a vontade de tentar abrir meus olhos. Quero permanecer aqui por muito mais tempo. Preciso sentir cada centímetro de mim. Preciso me conformar com cada centímetro de mim. Estou em sintonia com cada pedaço de quem sou. A minha tenebrosidade não é melancólica. A minha caligem é reconfortante e reconstrutora. Minha história agora é resumida por mim apenas em tragédias e desgostos. Meu trajeto agora é exclusivamente dolorido. Minhas lembranças são agora sofridas e amargas. Me faz bem sentir cada parte infeliz que compõem cada pequeno pedaço do meu ser. Meu escuro me mantem. Minha noite me faz lucido. Minhas trevas me ajudam a entender, a sentir, a querer, a desejar, a observar, a ouvir, a ver, a continuar...

Meu entendimento sobre as marcas da minha vida agora é nítido. Sou composto por dores e lágrimas. Sou feito de amargor puro e único e carrego dentro de mim desgraças fundamentais para a minha existência. Meus olhos estão secos, minha mente tranquila, meu coração segue batendo normalmente e minhas cicatrizes continuam marcantes. Somente minhas mãos são capazes de me tocar e somente meus olhos podem me ver. Somente minhas ações me afetam e somente meu silêncio consegue me completar. Somente meus ouvidos são capazes de ouvir o pulsar do meu coração. Estou aliviado de ter conseguido compreender o meu escuro; também sou feito de legitimo sofrimento. 

Agora que reconheço o valor da minha desgraça posso parar de me sentir ameaçado pelo medo de sentir uma nova dor. Agora que entendi o sentido de ser estilhaçado dezenas de vezes posso parar de me quebrar ainda mais quando tudo parecer estar fora de controle. Sou composto por uma gama extensa de tristuras e me sinto completamente inspirado e salvo por ter reconhecido o valor de todas as minhas consternações. Estou aliviado de ter conseguido compreender o meu escuro; sigo para a próxima tarefa.

Como me senti feliz ao estar confortável na pior parte de mim.