3.12.15

CANSEI DE TROPEÇAR EM BOSTA


Quem se importa com um coração quebrado? Sempre pensei em dizer que todos nós somos fracos demais para saber lidar com o amor! Eu não sei lidar com o amor, eu não pretendo aprender a lidar com o amor e eu não quero aprender sobre o amor! Eu não abandonei tudo para fazer o que quisesse fazer, mas tenho feito o que me dá na telha. Acredita que não chorei até agora? Esse texto teve como pilar uma mistura de sentimentos, e não pretendo citar quais foram eles.
Em quesito amor, sempre pensei que estava tudo indo bem, mas, por obsequio do destino, mais uma vez eu estava errado. Parecia que enfim eu tinha encontrado um coração que abrigasse minhas manias estranhas e meu amargamente doce modo de ver o mundo. Hoje sorrio, mas também reflito a decepção de um alguém que deu tudo de sim e foi tachado de imbecil. Doce honestidade, você poderia ao menos uma vez entrar na história e dizer a verdade? Quero apenas que analisemos uma coisa: não estou péssimo com mais essa frustração. Me acostumei a plantar coisas positivas e colher merda, cansei de tropeçar em bosta e de colecionar malditos fracassos. Não existe muito o que possa ser feito e não existe muitas palavras que possam ser ditas, porém, de vez em quando, mandar tudo para a casa do caralho é a melhor forma de se sentir melhor. Não me importa saber o que eu poderia ter sido, mas me pergunto onde foram parar meus adjetivos positivos dentro dessa sua cabeça obscura. Eu até pensei em ser aquele que você sempre desejou, eu até pensei em ser aquele que voltaria correndo para os seus braços, eu até pensei em esperar você entender que aquilo que via não era o real, mas o amor mais uma vez jogou sujo e nos ajudou a tornar amargo o que era doce. Depois de ter dado o meu melhor, passei a ser chamado, pelos longos e espinhentos trajetos da vida, de "o rapaz que não sente nada", "o monstro sem coração", "o calculista que age super-indiferente" e "o monstro do quarto escuro". O que provavelmente te levou a criar esses belíssimos apelidos foram as possíveis drogas que tem usado no seu cotidiano. Realmente não existe muito o que dizer, mas queria te lembrar que você me fez ter a mente poluída e me levou a acreditar num possível futuro feliz. Não existe muito o que dizer, mas adoraria te lembrar que atualmente os pensamentos sórdidos são as lembranças mais recentes de você.