NÃO PRECISO NUTRIR FALSAS ALEGRIAS

Não sei explicar, mas parece que estou dormindo acordado e nesse sonho eu nunca consigo ver a luz da esperança. Parece que, de repente, voltei no tempo e tudo o que acontece são replays de sentimentos pesados. Não consigo lembrar onde a porta de saída foi parar e minha pele traz marcas de severos beliscões. Não é um erro sentir dor, não é um erro sentir tristeza, não é um erro lamentar e não é um erro ter um coração cheio de espinhos...

Não preciso nutrir falsas alegrias

Não preciso nutrir falsas alegrias e não posso ser obrigado a forjar falsos sorrisos. Parece que de repente vim parar em uma outra vida e tudo é tão irreal e os frutos que me obrigam a colher aqui não foram plantados pelas minhas mãos. A vida é muito perigosa e as pessoas são extraordinariamente falsas. Aqui, as cores são forte demais e o preto e branco foi proibido pela severa ditadura da hipocrisia. Ninguém sabe onde estou, ninguém quer saber onde estou, ninguém sabe o porquê estou onde estou e ninguém é humano suficiente para entender onde estou.

Não preciso nutrir falsas alegrias

Talvez eu não queira ter alguém ao meu lado e sei que não deveria ser assim, mas se estou aqui só, aqui só continuarei. Ainda não tentei acordar dessa ilusão e não tenho certeza se a vida pode ser considerada um pesadelo constante. Talvez tudo esteja em seu devido lugar, mas eu não consegui me encaixar e, desde então, devo ter começado a viver como um deslocado. O silêncio é tão torturante que no meio desse mal-estar sou o único gritando e falando o que deveria ser dito. Maldito seja o silêncio barulhento que tortura, castiga e confunde o coração daqueles que são inquietos e cobram da vida movimento e transparência.

Obrigado por ler essa reflexão simples e meio confusa. Vem interagir comigo pelas redes sociais? Vou deixar o link delas logo abaixo:

Flickr Instagram Twitter Google +