22.11.16

NADA ESTÁ BOM



Nada do que me é entregue parece suficiente. Por mais que eu tente e me esforce bastante para me sentir satisfeito, tudo que recebo não é suficiente para me fazer ter ânimo e vontade de continuar a caminhar. Meus dias são compostos por muitos acontecimentos e por muitos sentimentos, mas eu por vezes me sinto vazio e completamente obsoleto. Estou tentando decifrar o que existe de errado dentro de mim, porém está difícil me encontrar ou encontrar qualquer resposta me sentindo tão deslocado e longe de casa. Eu sei que não estou portando qualquer sentimento negativo ou nutrindo qualquer espécie de malogro simplesmente por gostar de sofrer, então por qual razão me sinto tão machucado e completamente abandonado?

Meus sentimentos parecem controversos até mesmo para mim, pois diariamente piso no chão em que nasci e cresci e tecnicamente estou em casa, de junto da minha família e perto de quem supostamente me ama, mas nem mesmo isso é capaz de me dar paz e alegria. Talvez eu esteja sendo tão falso com todos, pois o meu incontentamento é tão secreto que todo mundo parece acreditar piamente que estou sendo feliz vivendo e recebendo aquilo que me entregue e proposto. A dor é tamanha, o caos imensurável e as dificuldades só crescem a cada dia. Ando tão desmotivado e desviado da alegria que minha unica certeza sobre o amanhã é que terei de levantar e mostrar a todos que estou bem. É complicado demais ter que explicar a minha inquietude e incomodo a quem não conseguiu perceber até agora que de fato não estou bem.

Se eu ousasse a compartilhar com alguém tudo carrego escondido teria que lidar com as palavras vazias de quem simplesmente acredita que tudo é passageiro. Talvez de fato algumas coisas sejam passageiras, mas eu não quero me entregar a alguém que se impõem uma visão simplória da vida e suas tormentas para ter coragem de maquiar a dura realidade das coisas. Algumas palavras de conforto são de fato reconfortantes, mas por vezes não existe reconforto melhor do que se entregar a alguém que esteja proposto a sentir com você as suas dores.

Eu sinto a minha alma se entregando a um sentimentos tenebroso demais e me vejo sendo engolido por uma realidade que aparentemente é só minha. Quando percebi que estava só me questionei sobre a lealdade das pessoas que me "amam", mas rapidamente me recordei que eu já conhecia esse trecho da vida. Quase sempre estive sozinho e quando tive ao meu lado qualquer companhia, ela só estava lá quando ela queria estar e não quando eu precisava que ela estivesse. Sou azarado nesse aspecto, pois não tenho nenhuma habilidade em desenvolver ou cultivar qualquer espécie de convenção social. Hoje eu não me incomodo tanto com a "solidão" por me ter como companhia, mas as vezes tudo que faço é me machucar estando só. 

Eu sei que posso até estar desorientado e totalmente perdido. Sei também que posso estar andando em círculos por um caminho que não me pertence. Sei também que posso estar dando murro em ponta de faca. Sei também que meu descontentamento e incomodo com a vida podem não ser corretos, mas não me arrependo de ser o possível errado sentindo o que sinto. Eu não sei aceitar o fato de que nem sentir a minha dor em paz eu posso, pois os acusadores logo conseguem transformar o que sinto em mera porcaria. Toda vez que eu escrevo ou descrevo as minhas emoções me submeto a uma espécie de ataque vindo por parte daqueles que já estiveram na mesma posição que eu mas se esqueceram. A minha vida, andando por esse circulo, é basicamente me sentir coagido e abandonado.

Talvez essas pessoas que acreditam que tudo na vida é passageiro estejam alimentando suas esperanças com a crença de que tudo pode ser superado e/ou reconstituído, mas tenho certeza de que elas já assistiram sua esperança sendo apagada e possuem vários sentimentos jamais superados. Óbvio que todos fazem certo em forjar uma maneira de capturar recursos para superar os obstáculos apresentados, mas as dores devem ser vividas como o amor é vivido. O malogro existe, assim como a saudade. O sofrimento é real, assim como a alegria é. Não temos que fugir das nossas tristezas. Eu não fugi e continuo aqui tentando me superar e superar meus obstáculos, mas estou cansado e exaurido da minha tarefa; viver.

Eu só vou sofrer mais um pouco e se eu conseguir arranjar uma fonte para captar sentimentos positivos, talvez eu consiga deixar de me sentir cansado e incomodado com tudo que esteja a minha volta. Vou procurar um abraço. Um beijo. Um sorriso. Um livro. Uma companhia de verdade. Vou me procurar. Vou me encontrar. Vou me abraçar.