PHOTOSHOOT: UM DIA DE SOMBRAS

É sempre a mesma história: passamos por grandes frustrações emocionais e somos obrigados a esquecer como realmente nos sentimos. Perdemos tempo tentando aprender a lidar com as emoções que nunca deixamos de lado mesmo que as mesmas não somem e nem subtraiam substantivamente nenhuma conquista em nosso dia a dia. Sempre de mãos dadas com os erros e com o medo, brincamos de ser capitães de um jogo do cotidiano que nem se quer nos pertence. Possivelmente sejamos pecadores conscientes e ao mesmo tempo santos perdidos num erro de senso comum que nem é real.
  um dia de sombrasum dia de sombras
O primeiro passo para começar a acumular pontos nesse jogo perigoso que é a vida é simplesmente pararmos de fingir algo que não somos. Precisamos parar de apontar o dedo e devemos urgentemente perceber que somos praticamente todos iguais: sacos de carne que vivem desenfreadamente uma vida que não nos pertence. Já percebi que sempre tem um início seguido de um término. É um ciclo que se resume a uma total perda de tempo por que, no final, sempre seremos reduzidos a nada. Uma coisa devemos ter bem clara dentro de nossas cabeças: as frustrações, emoções perdidas, medos e rancores são características fortes de uma raça que se diz cem por cento racional.
um dia de sombras um dia de sombras um dia de sombras

Capturas realizadas na cidade de Bragança Paulista, no interior do Estado de São Paulo, no dia 27 de junho de 2015. A direção de fotografia foi da Noemi Mendes. Essa postagem foi publicada originalmente no projeto "Sem Fricotes".