NÃO QUERO QUE MEUS ODIADORES ME ESQUEÇAM

Meus concorrentes são meus textos antigos que transbordam emoções mal canalizadas. Estou no futuro e estou tão maior quanto aquelas palavras do passado. Cheguei a um ponto que estou me vendo sentado compondo textos cheios de malogro por causas que não mereciam meu sofrimento. Estou chegando na formação de opinião pertinente para me colocar no lugar adequado. Que espécie de ogro fui eu que me esqueci e não possui ambição suficiente para me sentir o diamante mais caro do mundo...

me odeiem

Não fui o otário que jogou a toalha, mas fiz o papel de trouxa e me deixei ser jogado no chão por doces ilusões. Era doce e amável me ver caído na profunda sepultura cavada e nomeada como minha vida. Sei que antes de tentaram me matar me diminuíram a nada e arrancaram de mim MEU sorriso e MINHAS palavras. Os imbecis deram um nó mal feito e jamais imaginaram que meu mundo ainda estava seguro. Não conseguem me esquecer e queriam estar no meu lugar, mas peço que respeitem meu espaço e minhas construções.

Não quero que meus odiadores me esqueçam, mas preciso que eles me respeitem! Não preciso que ninguém me ame ou me odeie, mas o respeito é algo que até mesmo os loucos e perturbados devem aprender e/ou conhecer. Não estou usando uma coroa de espinhos e jamais estive no centro do mundo, então me supere em todos os sentidos que desejar ou se sentir capaz. Eu sou a riqueza em forma em palavras e estou chegando para jogar na minha própria cara o meu valor.

Os ensinamentos da vida vão muito além da compreensão dos fatos marcantes vividos a cada transformação.