15.3.16

ESPELHO

Espelho

Eu não tinha essa barba e esse emaranhado de cabelo
que mais parece um amontoado de
palha de aço que foi colada
na cabeça de alguém desleixado.

Eu não exalava essa negatividade e não 
trazia no rosto uma feição de um
alguém cansado e frustrado pela
sobra de tentativas e a falta de
conquistas sólidas.

Eu não tenho mais tanta força, mas
ainda estou resistindo firmemente:
- Até quando o sucesso será a ilusão projetada pelo fracasso?

(Escrita iniciada no final do ano de 2015
 e finalizada no início de 2016.)