IRÔNICO

Eu não parei de pensar um segundo o quanto eu fui um verdadeiro tolo quando decidi dizer que estive gostando de você. Não me lembro exatamente quando essa ironia teve inicio, mas sei exatamente quando ela teve um fim. Queria te dizer tantas outras coisas, porém já não é viável continuar me aprofundando nessa ironia enquanto você ri. Eu gostei de você por um tempo limitado, mas te amei o tempo todo indiferentemente do significado que por você fora qualificado. É irônico demais pensar o quanto sou sincero e presente e você é ausente e covarde. Não te gosto mais, mas espero que você reflita o quanto eu fui irônico. Não sei se tudo o que eu falei veio do meu coração, mas sei que minhas palavras estão sendo norteadas pela mesma ironia que você me presenteou naquela noite. Eu sou um menino tolo, um rapaz inexperiente e uma criança esperançosa demais que fez uso de uma sinceridade pura para um alguém que calculou cada possível maneira de descartar minha visão honesta. Hoje parece ser possível rir daquela ironia, mas minha cara de tonto ainda é notória e real. Eu gostei de você como sempre gostei do sol. Eu sempre gostei de você como sempre gostei de futebol. Eu gostei de você como sempre gostei de suco de uva artificial. Eu gostei de você como sempre gostei de andar de transporte público. Eu gostei de você como sempre gostei de vodka.

Não me sinto mal por ter sido real. Não estou revoltado ou indignado, mas tudo isso foi verdadeiramente irônico e magnificamente passageiro e, ao mesmo tempo, terrivelmente duradouro. Não me sinto qualquer outra coisa que não seja bom e real, mas eu queria realmente sentar na sua frente para juntos rirmos. Esse sentimento zombeteiro que surgiu dentro de você ainda é novo para mim, mas sua cara de gente sonsa já antiga e familiar. Sabe de uma coisa? Só de pensar que você acreditou que eu falei sério, tenho vontade de me retirar para dormir.