2.8.16

DESASSOMBRO

Há uma dualidade de quereres dentro de mim

Ao mesmo tempo que desejo ficar parado nas sombras
Quero sair correndo em direção ao fogo

Não sei por qual motivo estou dividido
Mas sei que não faz parte de mim ficar encima do muro

Quero queimar no fogo da certeza
Para poder me sentir útil
Para poder forjar minhas conquistas
Para poder alcançar meus sonhos

Quero ser atingido pelas labaredas da sensatez
Para poder lutar contra o fogo
Para poder lutar junto do fogo
Para poder queimar como fogo

Eu não quebrei a minha promessa de ser parte da calmaria
Tanto que estou queimando lentamente
Desde que descobri um abrigo nas sombras
Me repartir em ascendente e descendente
Em frio e gelado
Em corajoso e covarde
Em criminoso e mocinho.