A SOLIDÃO

solidão

Quando a solidão chegou eu abri meus braços para tentar sentir seu calor.
A escuridão era mais densa do que de costume
E o dia havia sido um show de horrores que parecia interminável.
A vida não trabalha com piedade, mas abriu uma exceção ao meu destino
E me encheu com um sono interminável.
Quis levantar e perambular pela rua na expectativa de admirar a lua,
Mas o grande astro iluminado não veio me visitar...
Quando fechei meus olhos consegui entender nitidamente
Que as vezes era necessário fugir da realidade para não ser dilacerado
Pelas severas regras do destino.
Eu me entreguei para a densa e fria escuridão
Abracei a solidão e sobrevivi mais uma noite.
                        
(22/1/16)