NOSTÁLGICO

O jovem decrépito ainda estava em pé na imensa poça de lágrimas.
Não havia uma alma boa ou um coração aberto que pudesse o entender.
Sobre sua cabeça pairavam o medo e o rancor e o ódio e a impotência.
Talvez nascera uma aberração que merecia ser excomungada,
Ou talvez as verdadeiras aberrações não souberam aceitar um "irmão".
Seu olhar transbordava dores internas 
Que jamais tiveram a oportunidade de serem diagnosticadas e medicadas.
Não possuía uma voz e não havia movimentação que sinalizasse uma revolta...
Talvez fosse medroso demais e ainda não estava preparado para ser homem,
Ou fosse amável demais para demonstrar tanta raiva.
Talvez... mas toda a raiva estava lá escondida atrás do medo.
Ele era um e seus piores inimigos eram dezenas,
Eram maiores e muito mais fortes,
Balbuciavam e andavam em bandos.
Sua mente gritava alto: seja forte e tome coragem!
A coragem chegou e
A mudança também!
Um momento de audácia e seu suspiro foi ouvido de longe...
Estava longe daqueles animais selvagens,
Mas continuava com um grito preso em sua garganta...
Sobre sua cabeça pairavam a alegria e o orgulho e o contentamento
Talvez... o medo ainda estivesse lá.