QUANDO CHEGAREI AO FINAL?


Talvez tudo isso contribua para o meu final feliz. Talvez tudo isso seja necessário para o meu final feliz. Geralmente não gosto de falar sobre os finais, mas agora parece que estou morto. Eu realmente não tenho certeza se o que fiz até aqui é certo ou errado, a única certeza que tenho é que todos teremos um final. Não gosto de esperar pelo o meu fim num corpo morto com um coração obscuro. Me matei e mesmo assim ainda continuo pendurado naquela corda. Minha esperança era tudo que me obrigava a fugir do final e agora que estou sem ela não quero fugir. Tudo que pensei, vivi, ouvi, senti e vi deu certo e contribuirá para o meu final feliz. Sempre acreditei que as únicas coisas do mundo que nos criam a cada dia são as memórias e os momentos. Ninguém pode apagar nossas memórias a não ser nós mesmos. Ninguém pode arrancar nossos momentos vividos. Todos pelo menos uma vez na vida já pensamos num final que, naquele determinado momento, julgamos como o mais feliz, mas todos acabamos fugindo dele por medo. Sei que tenho coisas que escondo de todos e por isso sou considerado difícil por muitos, porém alguém já parou para pensar se eu realmente me conheço? Várias cenas da minha vida passam pela minha cabeça e essas eram as únicas coisas que pensava saber. O mais confuso de tudo isso é que fui eu mesmo que provoquei minha morte. Vi meu eu morrer e não pude me sentir eu. Naquele momento eu pensei no final feliz como algo distante de acontecer comigo. Pensei no meu final feliz como aquilo que chegará depois do meu nascimento, depois da ressurreição do meu corpo e depois da descontaminação do meu coração. Eu nunca fui o que sempre quis pois sempre que me libertava alguém me prendia novamente. Eu nunca fui o que sempre quis pois sempre que via meu final feliz alguém o roubava de mim. O que sou agora é apenas um reflexo dos momentos vividos até aqui e das memórias coletadas ao longo do caminho. O que sou agora é pesado demais para meu final feliz. - 13/1/15