IMPOTÊNCIA


Levantei e caí
Levantei e tropecei
Me mantive em pé
Minhas pernas tremem
Estou conseguindo caminhar
Instável e esperançoso
Mas firme na minha meta
Focado em potencias sonhos
Fui incumbido da tarefa de construir
Fiquei com o cargo máximo da minha história
Aceitei a proposta de ir além do meu equilíbrio
E tomei gosto por contar as minhas crônicas
Caí e levante
Me machuquei
Me curei
Aprendi a libertar as mágoas
Para encher a minha vida de sonhos
Eu sei que por vezes me cansei
Joguei tudo fora
E fiquei tempo demais em órbita
Mas só posso ser herói da minha vida
Por isso que a dor alheia me dói
A visão do outro me corrói
A impotência me joga ao chão
A lágrima alheia entristece meu coração
Eu sei que caí centenas de vezes
Mas nada me tortura mais que a minha impotência