7.9.16

358


Posso ser de tudo um pouco
Menos um pobre e coitado louco
Posso ter milhares de lembranças
Mas não posso ser refém das minhas lembranças
Eu posso ser sempre presente
Mas desaparecerei antes da noite acabar
Você pode ter me visto chorando ontem
Mas hoje você vai ver meu sorriso brilhar
Posso ser o mesmo estranho de anos atrás
Mas ninguém jamais terá a minha estranheza
Posso simplesmente escrever o que me dá na telha
Mas não posso escrever sem sentir
Tudo mudou centenas de vezes nessas 358 vezes
Mas nada parou de mudar quando eu deixei de contar
São só 358 mudanças caladas
Que ficaram cravadas nessas 358 mudanças

Por eu conseguir ser de tudo um pouco
Foi que não morri de desgosto
Nas minhas loucas lembranças

- Deixa pra lá!